logo

4 de abril de 2017

Espírito de falsidade

 O falso sorriso se tornou algo tão obrigatório no mundo em que vivemos hoje, que se você não fizer parte desse contexto tão exigido pelas pessoas, você é tachada, e apontada, como estranha e anormal. É muito difícil conviver com a falsidade, pelo simples fato de não saber quem são essas pessoas, a gente é pega de surpresa. Já me decepcionei tanto com as pessoas dá minha família... Com tias e avós, que demonstravam tanto amor por mim, mais que na realidade me apunhalaram pelas costas, e falaram mal da minha família. Me recordo que quando a minha bisavó era viva, eu e a minha mãe e a minha irmã, todos os finais de semana íamos visitar a nossa família por parte de pai, só que na época meu pai ainda era casado com a minha mãe é claro. Já flagramos minha avó e minhas tias falando dá minha avó por parte de mãe, xingando ela de tudo quanto era nome, se desfazendo e zombando do problema que ela tem nos joelhos... Quando a minha mãe escutou minha vó falando mal dá mãe dela, ela nunca mais pisou lá. E hoje depois de quase doze anos elas ainda me perguntam o por que dá minha mãe não andar mais lá, e quando eu dou a resposta elas desmentem na maior cara de pau. Fazem de conta que nada aconteceu, me chamam de mentirosa, de falsa, disso é daquilo. Exceto que a minha família por parte de mãe não é tão santa assim não é mesmo? Pra falar a verdade todos eles são iguais, e todo mundo fala mal de todo mundo pelas costas.

 Se já não bastasse ter uma família assim, imagine ter que lidar com as falsidades dos outros de fora. Quantas não foram as vezes que pessoas passavam por mim na rua, me cumprimentavam​, e me xingavam bem baixinho, me chamando de vagabunda, de filha disso e daquilo... Você acha que todo mundo gosta de você, mais muitas vezes eles te odeiam sem motivo algum, e fingem que gostam. Não faz nenhum mês que eu estava falando isso para minha irmã, e ela não acreditou, disse que era mentira minha, ela ficou assustada com esse comportamento das pessoas do nosso bairro. Foi aí então que ela me aconselhou, dizendo que eu não sou obrigada a falar com ninguém, se eu sei que uma pessoa me detesta por que eu ainda tenho que comprimentar? Se já é difícil ver as pessoas dá sua família lhe difamando e botando seu rabo na rua, imagine pessoas que você nem conhece direito, é a treva! E quando a gente deixa de falar com essas pessoas, elas ficam se perguntando o por que você deixou de falar com elas, desmentem tudo que fazem, e ainda lhe chamam de louca, dizendo que você ouviu errado. Eu falo com todo mundo, faço questão de comprimentar todos os meus vizinhos, pois eu nasci aqui, e eles me viram crescer... Nunca ouvi falar que eles falassem mal ao meu respeito, então não há motivos para mim virar a cara pra eles. Todos nós esperamos que a nossa educação seja retribuída dá mesma forma, não vale a pena tratar uma pessoa bem e levar pedradas dela, ou somos justos ou não somos. E sempre que eu falo e ninguém responde, eu simplesmente não falo mais.

 Mas se afastar não é o suficiente? Se uma pessoa não sabe conviver em harmonia com ninguém, o problema é dela, eu faço a minha parte. Não é preciso se igualar a ela. A gente deve imitar o que serve de bom exemplo, não o mau. É muito difícil ter que isolar alguém, e deixar de falar... Não consigo fazer isso com a minha família, mais confesso que já tentei cortar relações com alguns deles, mais eu não consigo fazer isso, pelo simples fato de o espírito que habita em mim não deixar. Devemos ser luz para as pessoas que estão em trevas, embora eu não tenha nada a ver com os problemas de ninguém, devo me colocar no lugar delas e tentar entender esse comportamento repulsivo. O que falta nessas pessoas é o espírito de Deus, se eu não vou com a cara de uma pessoa por que eu devo difamar e prejudicar ela? O que eu mais gosto de fazer é não dá atenção, e fazer de conta que é um objeto de enfeite, não há nenhum sorrisinho forçado por parte de mim, baixo a cabeça e faço de conta que nem estou vendo.

 Que Deus repreenda as falsidades, não existe coisa pior do que você conviver com esse tipo de gente vinte e quatro horas por dia. Ter que ficar obsorvendo aquela energia negativa, aqueles olhares tortos e aquelas falas mansas, sem falar das piadinhas e das fofoquinhas. Vindo de família então, nem se fala... O melhor a se fazer é não se misturar, quando você sabe que uma pessoa é mal caráter, um oi, e um bom dia já está de bom tamanho, para manter a boa convivência.

 Quando a hipocrisia se disfarça de altos valores morais... E no fundo vemos que não há VALOR algum, até porque muitas vezes quem condena e critica um comportamento as vezes de bandido até, ou do popular mala, se une a um deles. E aí a vaca vai pro pasto que no brejo não tem o que ambos procuram. Estamos no mundo onde as pessoas falsas são tidas como boas, e as pessoas sinceras são chatas, a cada dia aprendo mais, é difícil viver no mundo onde a tanta hipocrisia, pessoas com máscaras fingindo ser o que não é! Mas temos que aprender a conviver e aceitar, pois não vale a pena briga ou provar a verdade. Por isso o melhor que temos a fazer é silênciar, para evitar desgastes necessários, evitar diálogos com quem vive no erro e fica tentando convencer a si mesma que a verdade machuca, que a sinceridade é falta de educação. Só não entendo essa fixação com a hipocrisia e a falsidade.

 Sim, pois são muitas as nossas transgressões diante de ti, e os nossos pecados testemunham contra nós. As nossas transgressões estão sempre conosco, e reconhecemos as nossas iniquidades: rebelar-nos contra o Senhor e traí-lo, deixar de seguir o nosso Deus, fomentar a opressão e a revolta, proferir as mentiras que os nossos corações conceberam. (Isaías 59:12-13)
                     
 Há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que espalha mentiras e aquele que provoca discórdia entre irmãos. (Provérbios 6:16-19)

 Beijinhos e fiquei na fé! 😉