logo

22 de março de 2017

Violência de todos os lados

 É muito difícil se colocar no lugar de uma pessoa que sofre algum tipo de violência ou abuso. Como falei sofro alguns tipos de violência dá minha família desde a infância. Algumas coisas passaram, outras ficaram, nunca consegui entender por que minha relação com a minha mãe nunca mudou, sendo que com meu pai as coisas hoje fluem bem... As vezes penso que vivo um relacionamento bom com ele por que ele não mora mais comigo, e se caso ele não tivesse ido embora? Talvez as coisas fossem piores para o meu lado... Pra falar a verdade uso esse blog mais para desabafar, não falo muitos detalhes sobre a minha vida por que não quero me expor muito, gosto de falar por cima, falar o que penso e como me sinto.

 Nunca consegui entender o porque de tanto ódio contra a minha pessoa, minha mãe sempre significou o mundo para mim. Quando meu pai chegava bêbado em casa era eu quem a defendia, já cheguei até livra-lá dá morte uma vez... Muitas vezes deitei a cabeça no travesseiro e me perguntava o por quê dela ser desse jeito. Sempre preocupada com as coisas dá escola, com dores de cabeça, com magoa de coisas do passado, com ódio, desejo de vingança, colocando sempre os outros de fora em primeiro lugar, e pisando na cabeça das pessoas de casa, sendo que eu sou o alvo principal de seus ataques de fúrias constantes. Talvez não seja culpa minha, pois todo esse ódio que ela sente por mim nunca teve razão de existir, ou melhor nasceu do espírito imundo que ela permitiu ocupar no seu coração. Passei anos dá minha vida fazendo correntes na igreja, acordava cedo, e passava o dia todo na igreja fazendo correntes e propósitos pela paz de espírito dela, e principalmente pela libertação dá minha família. Consegui levar a minha irmã três vezes, ela gostou mais ficou meio com pé atrás... Minha mãe sempre fazia promessas de que um dia iria, mais nunca foi, pelo contrário, me criticava pela minha fé, e dizia que nem um cristão valia nada. Eu não entendo como uma pessoa não consegue se tocar dá vida que leva, principalmente sendo mãe de duas filhas e separada. Talvez seja a ruindade mesmo que seja muito grande... As vezes a pessoa é tão ruim, que anda lerda e encurvada, de tantos demônios que habitam no corpo dela. Anda de madrugada para um lado e para o outro, manifestada 24 horas, mais não se toca.

 Antes de nascer de Deus, procurei um centro de candomblé que tinha perto do colégio que estudava quando criança. Antes de mais nada não participei de nenhum ritual religioso, só fui mesmo para conhecer a religião e conversar com as pessoas, lembro que era no mês de fevereiro, e nesse mês nenhum centro espírita abre para trabalhos religiosos... Conversei com uma filha de santo, sobre a minha situação familiar, que temia existir algum trabalho feito para destruir minha família, falei de tudo que passava, e ela ouvir, tinha aproximadamente minha idade. E ela falou que sofria com o mesmo problema que eu, que seus pais a expulsaram de casa, que a mãe dela nunca gostou dela, e que só encontrou paz quando conheceu aquela religião... Daí então ela foi me explicando como funcionava a religião, e eu fui fazendo cara de que estava achando tudo muito lindo e interessante, só que o que vinha na minha mente preconceituosa era "isso não é de Deus". Foi só ela falar que eu tinha que raspar a cabeça para o orixá nascer que eu peguei o beco. Sem falar do café que ela me deu que me fez mal. Desde esse dia passei uma semana com a consciência pesada de ter ido naquele lugar, foi aí então que conheci o trabalho dá igreja que eu congregava.

 Eu não conheci a Deus... Era leiga na fé, achava que Deus estava em todos os lugares e queria que a minha mãe mudasse. Quando conhecemos a Deus tudo dentro dá gente se transforma, eu sempre me preocupei muito com o que Deus achava ao meu respeito. Eu ajoelhava e pedia que ele se mostrasse para mim, queria ter uma família feliz e viver apenas para ele. Já tive tantos sonhos... Já sonhei em dedicar minha vida inteira para obra de Deus, casar com um pastor e me mudar para outro estado ou país, sacrificar a minha vida para Deus e para as pessoas sofridas. Mais foi aí então que eu entendi que não era do meu jeito, e sim do jeito de Deus... Aconteceram tantas coisas nesse tempo, fui escorraçada por pessoas que eu nunca imaginei que iriam me abandonar, já me encontrei diversas vezes sem saber o que fazer... Sem saber para onde ir, sem obter respostas de Deus quando eu mais precisei. Mais Deus nunca me desamparo, sempre aparece uma luz no fim do túnel, uma solução para que eu consiga suportar mais um pouco.

 Eu posso não entender agora o por que dá minha família não ter nascido de Deus ainda, depois de tantos sacrifícios, de tantos gestos de amor e compreensão, de tantas orações e propósitos, parece que cada dia eles se tornam piores. As vezes tenho a impressão que vivo num mundo onde todos morreram e eu sobrevivi, como se eu estivesse naquele seriado The Walking Dead, com um monte de mortos vivos... Onde não existe amor, onde não existe compaixão, onde não exista pessoas boas. A gente só consegue olhar para os lados e ver pessoas jogando pedras, apontando o dedo, e fazendo pouco dá sua situação, talvez eu esteja cansada de lutar, talvez o fardo seja muito pesado, talvez eu tenha orado pouco e o diabo esteja trabalhando com mais força. E ainda tem gente que diz que o diabo não existe, se isso não é diabo é o que?

 Já cheguei a pensar que eu era a única mulher a passar por isso, mais não... A moça do terreiro de candomblé também sofreu, ou sofre né? Não sei... Com o mesmo problema. Já encontrei meninas em grupos que passam pela mesma situação. Não existe coisa pior do que o abandono, sendo que as pessoas entendem que abandono é quando alguém vai embora, só que não é só isso... O pior abandono é aquele onde as pessoas dá sua própria casa lhe ignoram, fazem de conta que você não existe, que você não é nada. Isso é o que mais dói. Ser tratada como lixo, como algo insignificante.

 Mesmo passando por isso não deixo de acordar feliz, dá bom dia ao espírito santo, entregar minha vida a Deus e sorrir. Acredito que sorrir é o melhor remédio, não vou murmurar pela minha situação, a pesar de está fazendo isso agora. É por que as vezes vem uma vontade enorme de botar tudo para fora o que está dentro do nosso coração. Eu tenho fé caro leitor, fé que vou ser feliz de verdade, que vou casar, constituir uma família, que vou conseguir ganhar a vida e a alma dos meus familiares para Deus, e se eu não conseguir Deus vai providenciar pra mim.

 Porque é louvável que, por motivo de sua consciência para com Deus, alguém suporte aflições sofrendo injustamente. Pois que vantagem há em suportar açoites recebidos por terem cometido o mal? Mas, se vocês suportam o sofrimento por terem feito o bem, isso é louvável diante de Deus. Para isso vocês foram chamados, pois também Cristo sofreu no lugar de vocês, deixando exemplo, para que sigam os seus passos. "Ele não cometeu pecado algum, e nenhum engano foi encontrado em sua boca." Quando insultado, não revidava; quando sofria, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga com justiça. Ele mesmo levou em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça; por suas feridas vocês foram curados. (1 Pedro 2:19-24)

 Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada.(Romanos 8:18)

Postar um comentário