logo

29 de março de 2017

Terapia na minha cidade

 Hoje acordei bem cedo! Preciso admitir que a ansiedade está tomando conta de mim. São tantas preocupações, tantas coisas em minha mente, tantos sonhos, tantos problemas para se resolver... Que se eu não arranjar uma forma de botar tudo isso pra fora não ficarei bem! Então fui procurar por atendimento psicológico no meu município, foi bem fácil, rápido e prático. Desde ontem que estava a procura de profissionais na área dá saúde mental, e consegui o mais rápido possível. Hoje conversei com uma terapeuta ocupacional, ela foi muito compreensiva, preencheu alguns dados e marcou uma consulta com uma psiquiatra e também com um psicólogo, fiquei muito feliz de ter resolvido a minha pendência de hoje.

 Não vejo por que se envergonhar de ter um terapeuta e um psiquiatra, sei que muitas pessoas tem vergonha de falar, mais eu não vejo nenhum problema nisso. Loucura para mim é sofrer calado, além do mais problemas todos nós temos, uns mais, outros menos... Precisa de muita terapia e muito acompanhamento psicossocial para conviver no ambiente desestruturado que eu vivo. Lamento profundamente por ter perdido minha assistente social querida, eu a conheci em 2012 num evento em um hotel de Fortaleza. Assim que eu a vi bateu logo um amor por ela, super sorridente, simpática, e com aquele estilo hippie que só ela tem. Foi ela quem me ajudou a resolver uma boa parte dos meus problemas, e ela não tinha obrigação nenhuma com isso, mais fez com todo amor e carinho do mundo... Ela foi no colégio dá minha mãe conversar com ela, junto com a minha psicóloga daquela época, eu não sei bem o que elas conversaram, mais tudo depois daquele dia mudou, minha mãe e minha família começaram a me respeitar mais, pois naquela época eles eram bem piores, hoje ainda são, mais não tanto como antigamente. Hoje infelizmente ela não está mais ligada em nenhum equipamento de direitos humanos, e por isso eu a perdi como assistente social, mais ganhei uma grande amiga, que as vezes vem me visitar. Ela tem uma preocupação comigo que ninguém nunca teve.

 É muito ruim viver sendo abusada pelos outros, e quando falo abuso, não é só estupro. As vezes as palavras podem machucar até mais do que uma agressão física. Passei minha infância e adolescência inteira sofrendo violência doméstica, as vezes penso que não consegui superar isso, talvez por que vivo no mesmo ambiente onde fui agredida, e com as mesmas pessoas que até hoje me agridem de alguma forma. Mais Deus é misericordioso comigo, ele sempre tenta me acalmar em todas as situações, sempre quando estou passando por uma situação difícil eu olho para o céu e peço a ele que me ajude. Não é fácil ser rejeitada pela própria família, se botada para escanteio, ser humilhada e ridicularizada.

 Minha irmã olha para mim com cara de nojo, me trata como se eu fosse um animal. Se esbarro em alguma coisa, ela fala que estou dando coices, se refere ao meus pés como patas, quando sujo um prato ela pergunta se eu não vou lavar minha imundice, chama o meu quarto de muquifo, entre outras coisas que ela fala, que nem vale a pena mencionar. Não vejo o por que de tanto ódio por mim, sendo que faço tudo para agradar, ela adora a batata frita que eu faço, e o brigadeiro. Sempre faço as coisas com todo amor do mundo para poder agradar a todos, não espero recompensa de nada, mais sim o respeito pela minha pessoa. Confesso que admiro quando alguém me trata bem, sendo que as pessoas hoje em dia vivem de destilar ódio, rancor e seus problemas nos outros... E é por que nunca tiveram uma vida difícil como eu tenho, vejo tanta gente ter tudo na mão e jogar fora. E mesmo passando por momentos difíceis eu nunca deixo de ser grata, a pesar de sentir uma dor imensa lá dentro.

 Fico feliz quando vejo o meu pai, e sinto muita falta de conversar com ele, quando eu era criança a gente sempre conversava. Foi ele quem me ensinou a nunca se intrigar com ninguém, sempre mandou eu falar, até mesmo com as pessoas que me fizeram mal. E mesmo que ele me espancase, sempre voltava a falar comigo depois, me abraçava, me beijava, coisa que a minha mãe nunca fez.

 Se for parar pra pensar em tudo que vivo hoje e em tudo que já passei, não tem como superar algo que você ainda sofre, parece que nunca vai parar, que nunca vai ter um fim... E cada ano que passa é uma novidade, é mais uma cruz para carregar. Faz alguns anos que a família do meu tio pórtico por parte de mãe, chegou na vida dá gente. Meu tio casou e mora com a mulher e as filhas numa casa, dentro do terreno dá minha avó materna, ele fez uma casa lá e agora é vizinho. Eles adoram uma fofoca e botar uns contra os outros, depois que eles chegaram todo mundo brigou, até a minha tia com a minha mãe, sendo que a minha mãe nunca tinha brigado com a irmã dela, nem mesmo quando criança... Se o fardo era pesado, depois que essa capetada chegou então... Destrambelhou de vez. Mais eles sempre infernizou nossas vidas a distância, minha mãe sempre deu crédito pra gente que não presta, é impressionante como ela se mistura com gente ruim, fofoqueira, invejosa e macumbeira "Sendo bem intolerante agora". Mais a verdade deve ser dita. Por isso que a pessoa nunca muda, quanto mais a gente dá a mão, mais aparece diabo pra afundar. E não adianta nada conversar e orar se a pessoa não quer nada com nada, não vale nem a pena o esforço. E não é desistindo de lutar não, sempre vou orar por eles, mais chega um tempo que não tem mais nada do que fazer... Cada um é responsável por suas escolhas e consequências, e cada um colhe o que planta.

 A violência tomou a forma de uma vara para castigar a maldade; ninguém do povo será deixado, ninguém daquela multidão, como também nenhuma riqueza, nada que tenha algum valor. (Ezequiel 7:11)

 Assim como um poço produz água, também ela produz sua maldade. Violência! Destruição! É o que se ouve dentro dela; doenças e feridas estão sempre diante de mim. (Jeremias 6:7)

 Sua maldade se voltará contra ele; sua violência cairá sobre a sua própria cabeça. (Salmos 7:16)

 Ora, a terra estava corrompida aos olhos de Deus e cheia de violência. (Gênesis 6:11)

Postar um comentário